Marcelo Sguassábia

Paçoca-moeda

 

Paçoca é um negócio viciante. Heroína é fichinha, é só o feminino de “herói” perto do poder de dependência do singelo docinho de amendoim, tão inocente na aparência. O paçocainômano perde o humor, a diplomacia, a razão, a estribeira e até os valores básicos da educação de berço se faltar a Santa Helena nossa de cada dia. 


Agora, aparece no mercado a paçoca-moeda – a versão diet da paçoca-rolha. Não é difícil imaginar o porquê do nome “paçoca-moeda”, bem como seu formato e especialmente sua espessura. Concebida para o dependente em fase de semiabstinência, algumas versões chegam a ser mais finas que uma hóstia. 


A exemplo das paçocas-rolha, a embalagem contém também 50 unidades. A grande diferença em relação ao modelo rolha está na altura do produto, que de aproximadamente 4 centímetros encolheu para 3 milímetros. Já o preço, duplicou. Ou quadruplicou, a depender da região, da lei da oferta de da procura e da quantidade de obesos mórbidos por quilômetro quadrado. 


E aí caímos no inexplicável paradoxo de quase todos os produtos apregoados como diet, light, sugar free, leve, baixos teores e congêneres. Se a formulação tem menos açúcar, menos gordura e menos tudo quanto seja ingrediente engordativo, é natural que o preço também seja magrinho. Afinal, é uma versão econômica e não “anabolizada”, se comparada ao original. Entretanto, observa-se o contrário. A impressão que se tem é que o fato de deixar de acrescentar glicídeos, lipídeos e carboidratos custa mais caro que incluí-los na porcaria. Alguém consegue entender este perverso e invertido raciocínio? Em peso líquido, diminuição de 500 para 75 gramas. No preço, aumento de R$ 8,75 para R$ 14,20. O consumidor diz “amém”, leva de bom grado e consciência tão leve quanto a fórmula do rótulo. 


O duro mesmo é quando, nas clínicas de recuperação, depara-se com um paçocainômano que, além do vício, apresenta também obesidade. Aí o rehab é tenso. Fora a questão da dependência física e psicológica, há que se lidar com a necessária perda de peso e o drible na sensação de saciedade provocada pela ingestão de amendoim. Daí o surgimento de um bem articulado esquema de tráfico de paçocas-rolha, comandado por gente infiltrada nas próprias clínicas. Um círculo vicioso que perpetua o consumo da droga e mantém o usuário refém de uma quadrilha criminosa - que começa no plantador de amendoim e termina nos enfermeiros dos hospitais de desintoxicação. E para desmontar esta cadeia, será preciso muita moeda. De metal, não de paçoca.

Todos os direitos reservados © 2019 - Criado por La Monica Design